Menu

Análise – Demon’s Souls 

Jogos difíceis como encontrávamos na época do Nintendinho ou Super Nintendo estão cada vez mais raros. Com pouca frequência surgem alguns jogos como God Hand (PS2) ou series como Ninja Gaiden (Xbox 360 e PS3) para nos fazer quebrar aquele controle e gritar freneticamente com os Video Games.

Quando a From Software, desenvolvedora de jogos eletrônicos japonesa, anunciou Demon’s Souls no Playstation 3, a comunidade mais obscura de RPG eletrônico ficou animada. Pois estávamos falando da mesma empresa que trouxe a trilogia King’s Field no Playstation 1 e Kings Field IV — The Ancient City no Playstation 2. Jogos obscuros, mas para quem curtia um bom RPG e teve a sorte de encontrar estes jogos na época sabe o quão único e divertido a experiência destes games poderiam ser.

Demon’s Souls começa com uma introdução épica, e o tutorial já possui uma chefe que mostra o quão árdua será sua aventura nas terras de Boletaria. O jogo possui uma atmosfera sombria, personagens singulares e bizarros, solidão e, a cada inimigo e chefe novos, desespero. É uma experiência nova a cada avanço que você realiza no jogo.

demons-souls

Conheça Vanguard… o chefe do Tutorial

A história do jogo complementa o gameplay de Demon’s Souls

O “lore” do jogo é incrível e, diferente de muitos jogos que desambiguam o gameplay da história, este é exatamente o contrário: o conto que faz de Demon’s Souls uma experiência completa. Alguns games como o último Strider ou Castlevania – Mirror of Fate fornecem diversos caminhos, mas limitam o jogador a algumas habilidades necessárias para cruzá-las, assim causando um falso sentimento de liberdade de qual caminho seguir. Demon’s Souls, diferentemente, faz como o clássico Castlevania – Lament of Innocence (PS2), na qual lhe apresenta cinco caminhos para escolher, e você pode decidir qual avançar, podendo alterar a rota quando bem entender. A história do jogo traz um rico conto em cada um desses caminhos, com seus inimigos e cenas apropriadas para cada cenário escolhido.

A metodologia de Demon’s Souls é muito interessante. Morrer, aprender, repetir. Toda vez que o personagem é morto, ele volta ao nexus, onde pode escolher seguir o caminho novamente, ou outro cenário de sua escolha. Depois de morto, o personagem fica em modo espírito, apenas com metade da vida (sim, fica bem mais difícil) e antes de morrer novamente, tem a chance de recolher suas souls (almas) deixadas quando morto. Estas souls são adquiridas derrotando os inimigos com o propósito de aumentar o nível do personagem, reparar itens e criar novas armas. Voltar a ficar humano é tão difícil quanto o próprio jogo, já que o item que traz o jogador de volta a vida não é tão fácil de se encontrar.

demons-souls-enemy

Cada inimigo, uma maneira nova de morrer e aprender, para depois vencer

Porém, apesar dos elogios (na qual o Demon’s Souls merece), o jogo possui alguns equívocos que muitos dos jogadores defendem ou deixam passar na grandiosa experiência que Demon’s Souls oferece. Apesar de ser interessante a ampla dificuldade do jogo, após terminar os mundos para então enfrentar o último chefe ou os chefes não obrigatórios (como os dragões), requerem muita repetição. Na primeira vez em que se joga o game, você escolhe uma classe (cavalheiro, mago, guerreiro, etc…) e você pode aumentar suas habilidades em igual, mas não sera bom em nada, e acredite, isso deixa-rá o jogo quase impossível. Infelizmente, alguns desses chefes possuem apenas um jeito conveniente de se enfrentar, como por exemplo, distância, o que pode causar uma incrível dor de cabeça para os guerreiros. Ou então passar séculos enfrentando um mesmo chefe (sem morrer, caso o jogo permita). Ir atrás de almas para aumentar seu nível ou atrás de itens para melhorar suas armas pode se tornar um trabalho árduo e maçante quando ainda não concluído o jogo ao menos uma vez, fazendo Demon’s Souls mais repetitivo do que já é. A repetição, quando ainda há uma maneira de vencer é divertido, mas a hora que se torna apenas um jogo para evolução de nível do personagem, somado a dificuldade imensa do jogo, pode afastar um pouco os jogadores menos árduos de RPG.

Outro porém, são os gráficos que, apesar de bonitos, principalmente em seus efeitos, faz pouco para impressionar, sendo que é um exclusivo de Playstation 3. Imperdoável, principalmente graças a loadings que por vezes podem ser demorados. E com a alta taxa de mortalidade que o jogador vai dar ao seu personagem, esta tela vai ser muito vista. Já a trilha sonora é esplendida. Melhor do que a saga Dark Souls inclusive (que possui ótima trilha sonora também). Remontam ao ápice atmosférico de seu antecessor King’s Field ou aos tons tão bem encaixados que encontramos na saga Metroid, por exemplo.

demons-souls-2

Prepare-se para ver muito estas telas… toda vez que morrer.

Modo online criativo e alterações no mundo do jogo aumentam o replay

Demon’s Souls ainda oferece uma mecânica chamada “World Tendencies”, na qual o seu personagem pode ser considerado uma alma sombria, ou uma alma benfeitora. Isto não altera o final do jogo, mas modifica as áreas na qual você pode visitar, adicionando escadas ou pontes para atingir locais antes inacessíveis, assim adquirindo itens novos ou até eventos e NPCs diferentes. Mas informando de antemão, provavelmente as alterações do “World Tendecies” só serão possíveis quando seu personagem estiver muito avançado, ou seja, no NewGame+.

A From Software também implantou um incrível modo online, onde os jogadores podem invadir o mundo de outros jogadores, para enfrenta-los ou ajudá-los mas, claro, se for o segundo, a dificuldade do jogo também aumenta (se é que é possível!) na tentativa de equilibrar os lados. Mas o mais divertido de ficar Online neste jogo é a possibilidade de deixar mensagens, informando armadilhas, itens que ajudam contra o próximo inimigo, passagens secretas ou até de como enfrentar os próximos chefes. E o melhor, você pode recomenda-las, para dar mais credibilidade à mensagem do jogador que a escreveu.

demons-souls-online

Modo online é criativo e inovador. O cooperativo faz toda a diferença

A From Software realmente conseguiu inovar o gênero RPG de uma maneira unicamente desafiadora. Traz um excelente modo online e gameplay interessante. Graças a quantidade de extras e itens novos, o replay do jogo é grande. Mas se você é um jogador casual, pode achar o jogo um tanto maçante e injusto muitas das vezes, o que pode afastar até mesmo aquele jogador que gosta de um bom Action RPG.

Vinicius Tarouco
Redator e Analista SEO. Jornalista por paixão e aficionado por tecnologia, livros e jogos eletrônicos.

One comment

  1. Angelica Lima disse:

    Amei o site, estão de parabens!

Deixe uma resposta